Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Afinal, quais impactos da pandemia na educação?

O Human Rights Watch e Todos pela Educação, ONGs, divulgaram declarações destacando o fracasso em abordar o impacto do surto de Covid-19 no sistema educacional do Brasil.

Estas organizações estimaram que milhões de crianças ou adolescentes não tiveram acesso às escolas durante novembro de 2020. Este foi o pior resultado em 20 anos. 4 milhões de estudantes não tiveram acesso a nenhum tipo de educação, remota ou presencial, de acordo com a Unicef.

É evidente que crianças e adolescentes foram afetados de diferentes maneiras pela interrupção das atividades presenciais nas escolas. O fechamento de escolas teve um grande impacto sobre os negros e indígenas, assim como sobre os de famílias de baixa renda.

Por esse motivo, resolvemos desenvolver este artigo para falar sobre os impactos da pandemia na educação.

Boa leitura!

 

O que é pandemia do Coronavírus?

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a pandemia do Covid-19, na quarta-feira, 11 de março de 2020. A organização declarou que o número de países afetados pelo Covid-19 aumentará em termos de mortes e casos.

De acordo com a OMS, uma pandemia pode ser definida como a propagação generalizada de uma doença. Este é o termo mais comum utilizado para a gripe. Ele indica uma epidemia que se espalhou por vários continentes e sustentou a transmissão pessoa a pessoa.

A OMS não considera a gravidade da doença ao definir uma pandemia. Ela considera apenas a propagação. No entanto, eles podem considerar o peso geral da doença na população antes de declarar uma.

A OMS é a principal agência de saúde do mundo e a primeira a declarar uma pandemia.

 

Quais as consequências para a educação atual e futura?

1. Despreparo das escolas, professores e alunos

A verdade é que quase ninguém poderia ter previsto uma pandemia tão grave como a que a Covid-19 causou. Praticamente toda organização não estava preparada para as consequências naturais da distância e do isolamento social.

Muitos setores estão tentando se adaptar e encontrar maneiras de sair desta crise. Estes enormes desafios não podem ser ignorados pela área de Educação. Isto mostra a inépcia de toda a comunidade escolar em adaptar a tecnologia de uma forma que facilite o aprendizado.

O ensino virtual ou à distância não é uma opção para a maioria das escolas. Embora as plataformas digitais sejam mais comuns nas instituições de ensino superior e fossem menos populares na educação básica, alguns poucos alunos ainda as utilizavam. Durante a noite, as escolas tiveram que descobrir como se adaptar a estas “novas tecnologias”, embora elas não sejam novas.

Muitos professores não são qualificados para ensinar à distância. O ensino à distância não é o mesmo que aulas presenciais. Publicamos um artigo que explica como criar planos de aulas à distância. A dinâmica de interação com alunos e familiares muda, por isso é importante estar familiarizado com as tecnologias educacionais.

Os horários de estudo das crianças e adolescentes eram muitas vezes muito intensos em casa. Crianças e adolescentes preferiam ter uma vida equilibrada, com muito tempo para o lazer e a escola.

A maioria dos alunos, particularmente os do jardim de infância e do ensino fundamental, não tinha a maturidade necessária para lidar com a autonomia inerente ao ensino à distância.

Estas dificuldades são comuns, embora possam ser esmagadoras. Isto não é algo a se temer, pois esta situação de educação e coronavírus é nova para todos. Devemos ser humildes o suficiente para reconhecer e corrigir estas falhas.

 

2.Inacessibilidade a tecnologias educacionais

Este é outro problema que todos nós estamos conscientes no fundo, mas que foi exposto na pandemia do Coronavírus. São as desigualdades sociais e o acesso não confiável às tecnologias que, na área da Educação, causam uma lacuna entre as pessoas que podem continuar sua educação e aquelas que não têm uma conexão com a Internet em casa.

As tecnologias educacionais são a solução mais eficaz para os problemas que enfrentamos e têm o maior potencial de inovação no ensino de crianças e jovens. A realidade no Brasil, no entanto, não é igual.

Uma pesquisa do IBGE constatou que 57% dos brasileiros têm um computador que pode rodar os softwares mais recentes. Outro estudo de 2018, a Pesquisa TIC Doméstica revelou que mais de 30% dos lares brasileiros não têm acesso à Internet. Este é um problema significativo para o aprendizado remoto.

Isto levará a um aumento das desigualdades no acesso não apenas para uma educação de qualidade, mas também para a educação básica. Isto causará uma lacuna de aprendizado ainda maior do que a que temos entre os estudantes, tanto no sistema público quanto no privado.

 

3. Ressignificação da Educação para desenvolver novas habilidades

Era verdade que a causa não era agradável. Mas a distância social e as suspensões das aulas causaram uma reflexão momentânea para toda a comunidade escolar.

A parada forçada levou educadores, pesquisadores, gerentes e administradores no campo da educação a procurarem formas de renovar o ensino. É uma oportunidade para redefinir a educação e encontrar melhores maneiras de ensinar às crianças e jovens as habilidades do futuro.

É evidente pelos números. Um relatório da Dell Technologies foi mencionado na Época Negócios. Ele afirmava que aproximadamente 85% das profissões de 2030, que serão ocupadas principalmente pelas gerações Z ou Alfa, nem sequer existem hoje.

Neste mundo dinâmico do trabalho, há muitas oportunidades para profissionais que têm mais interesses em diferentes áreas e as estudam.

Isto é evidente na epidemia da Covid-19. Todos estão interligados em um mundo cada vez mais globalizado. Ou seja, uma ação pode ter impacto em todo o globo.

Esta compreensão é essencial para os profissionais de todos os setores. Eles também devem ser capazes de avaliar os efeitos das decisões tomadas em diferentes contextos.

As escolas precisam incentivar os alunos a pensar, explorar sua criatividade e resolver problemas complexos. Esta é a base das escolas inovadoras.

 

4.Expansão do uso da tecnologia para apoiar a aprendizagem

Desde anos, várias iniciativas têm tentado estender o aprendizado para além das paredes das escolas. Esta tendência está lentamente retomando. A pandemia acelerou este processo e provou que o aprendizado não tem que ocorrer em uma sala de aula.

O apoio da tecnologia é essencial para isso. Primeiro, ela deve eliminar quaisquer barreiras geográficas ou físicas que impeçam a comunicação e a interação. Mas as ferramentas tecnológicas fornecem mais do que isso. Elas permitem a adoção de conteúdos diversos e interativos como aulas de vídeo, infográficos ou animações. A realidade aumentada permite jogos educativos e visitas virtuais a locais famosos.

As tecnologias educacionais promovem a colaboração e permitem o compartilhamento de experiências e atividades de forma assíncrona. Os participantes são gravados e podem ser acessados a qualquer momento.

 

5. Inovação acelerada

Os momentos de crise sempre impulsionaram a inovação em múltiplas frentes da sociedade. A pandemia de Coronavírus pode ser vista como uma oportunidade para acelerar o uso de tecnologias educacionais, como discutido no tópico anterior. Também oferece uma oportunidade para alavancar novas metodologias de ensino amplamente adotadas nas escolas.

Agências educacionais e instituições educacionais ao redor do mundo tiveram que buscar experiências de aprendizado inovadoras que possam ser usadas no aprendizado remoto. Os professores estão assumindo a responsabilidade de explorar novos métodos de ensino, o que é um passo significativo para a Educação.

Este avanço foi muito mais do que previsto e essencial para um campo que muitas vezes é resistente a novas tecnologias e metodologias.

Todos nós queremos criar ambientes de aprendizagem mais envolventes e integrados para estudantes, pais e professores. É crucial que compartilhemos as melhores práticas para que isso seja possível!

 

6. Autonomia e protagonismo dos estudantes

Embora o ensino à distância e o ensino à distância possam causar perturbações nos hábitos de estudo dos estudantes, também pode ser uma oportunidade para aprender sobre si mesmo. Eles sabem qual é seu estilo de aprendizagem, quais são suas habilidades e quais são seus problemas.

Este autoconhecimento beneficia tanto os estudantes quanto todos e tudo à sua volta.

Em suma, autonomia e protagonismo, além de que:

  • Aumentar o compromisso das escolas em proporcionar uma educação abrangente aos alunos.
  • Incentivar o envolvimento dos estudantes com o conteúdo, a prática pedagógica e o currículo.
  • Ajudar os jovens estudantes a desenvolver a capacidade de tomar decisões informadas e de assumir responsabilidades.
  • Eles são parte integrante da criação do projeto de vida, bem como da preparação dos estudantes para o futuro.
  • Incentivam a participação dos jovens nas esferas econômica, política e cultural.

Dessa forma, este moderno sistema educacional permite aos estudantes maior flexibilidade e liberdade para adaptar seu aprendizado às suas necessidades. O professor, por outro lado, atua mais como um facilitador entre o conteúdo e as tecnologias e os estudantes.

O que você achou? Gostou do post? Deixe um comentário aqui compartilhando suas experiências ou dúvidas, iremos adorar lhe responder!

Leia muito mais sobre educação no Blog EducaçãoFerramentas pedagógicas e no Saiba mais educação.